domingo, 28 de junho de 2009

Para reflectir

video

Recebi este e-mail hoje e realmente dá que pensar... As crianças são o melhor do mundo, são puras, inocentes... Ainda estão em crescimento, em processo de aprendizagem mais intensivo que qualquer adulto. Mas é tão frequente esquecermo-nos disso e da influência que exercemos sobre elas! Muitas vezes pensamos que elas não percebem determinadas coisas, que não vale a pena explicar-lhes... Nada mais errado! Podem até não perceber, naquele momento, mas a verdade é que assimilam TUDO! Deviamos pensar mais vezes nisto e procurar dar um melhor exemplo!

4 comentários:

  1. Também só acredito no exemplo, na formação de um ser humano.

    ResponderExcluir
  2. Palavras para quê...

    É o sítio comum as pessoas nem sequer se aperceberem dos seus actos.

    E realmente não temos sequer a ideia da imagem que somos na cabeça de um adolescente ou uma criança. E por isso devemos ter sempre esse cuidado, não só de pensar todos dos nossos actos mas também ter muito cuidado ao transmitir as ideias e os ideais que defendemos.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente, a perda de valores tem vindo a acentuar-se. Assim, quem tomarão como exemplo as novas gerações?

    ResponderExcluir
  4. Uma excelente proposta de reflexão!

    Considero que as nossas crianças e jovens não têm os melhores exemplos para seguir. E mesmo que os adultos mais próximos sejam exemplos correctos, a televisão, os colegas e a sociedade encarregam-se de lhes apresentar um mau exemplo ou o bom exemplo distorcido! Que fazer então? Acabar com os maus exemplos? Proibir a sua exibição?
    Em alguns casos, isso nunca será a solução, porque como sabemos o fruto proibido é o mais apetecido... A solução passará por apostar nos bons exemplos, nos bons valores que eles incutem e nos excelentes frutos que se colhem com os bons valores! Problema: esses frutos não são imediatos, demoram muito tempo para a cabeça de uma criança ou de um jovem. E para a cabeça de um adulto? Ui... aí nem se fala!

    ResponderExcluir

Atire a sua pedra, vá!